Últimas Notícias

O PIX vai substituir TED e DOC? Confira um guia Definitivo sobre o PIX

Desde meados de fevereiro o brasileiro tem visto diversas notícias sobre o PIX. Em meio a tantas informações sobre essa nova forma de realizar pagamentos ou receber dinheiro, você sabe ao certo do que se trata e como ele funciona?
Afinal, o PIX vai substituir TED e DOC de verdade? Como será esse novo meio de realizar transações bancárias?
Se você ainda não sabe direito do que se trata o PIX, fique tranquilo! O nosso artigo de hoje reunirá as principais informações sobre o tema, dentre elas:
Ou seja, traremos um guia completo sobre o PIX. Também vamos responder a dúvida que não quer calar: o PIX vai substituir TED e DOC? Confira a resposta a essa e outras questões no artigo de hoje! Continue conosco e boa leitura!

O PIX é uma nova forma de pagamento, que começará a funcionar no Brasil a partir de 16 de novembro de 2020. Essa nova maneira de transferir ou receber dinheiro será instantânea (segundo o Banco Central, o seu tempo de conclusão será de no máximo dez segundos).
Outra vantagem é que o PIX poderá ser realizado a qualquer hora, fora do horário comercial ou mesmo de madrugada. Além disso, também pode ser feito em qualquer dia da semana, mesmo aos sábados, domingos e feriados.
O sistema financeiro do Brasil é bastante avançado, conhecido inclusive como um dos mais modernos do planeta. Nesse contexto, surgiu a necessidade da realização de transações bancárias mais modernas do que as que tínhamos até então.
Nossos celulares evoluíram, a forma como trabalhamos também mudou e até os bancos se tornaram digitais. Portanto, nada mais justo que as transações bancárias como recebimentos e pagamentos também evoluam, não é mesmo?
Veja a seguir a explicação da Natalia Arcuri sobre o Pix:
[embedded content]
Foi a partir de tantas evoluções e mudanças, que o Banco Central estabeleceu algumas transformações em relação às formas de pagamento no país. 
Assim, em dezembro de 2018, o BACEN criou o Sistema de Pagamentos Instantâneos, do qual o PIX faz parte.
Segundo o próprio órgão, o PIX vem como um estímulo à menor circulação de papel moeda, bem como visa agilizar os pagamentos e recebimentos em geral, além de diminuir a atual burocracia das transações bancárias.
O Banco Central atualizou as “regras” relativas ao PIX em agosto de 2019 e em fevereiro de 2020, divulgou como será a utilização do PIX e quais os seus principais atributos.
Além de baratear as transações bancárias, ele poderá ter outras utilidades, das quais falaremos abaixo. A partir dessas informações, elaboramos esse Guia para te ajudar a entender detalhes sobre o tema.
Provavelmente, o PIX vai substituir TED e DOC e nós te mostraremos o porquê. Veja abaixo quais são as suas principais funcionalidades e algumas vantagens dessa nova forma de pagamento.
As transferências realizadas via PIX poderão ser feitas entre empresas e/ou pessoas físicas. Além disso, também poderão ser utilizadas para o pagamentos de lojas (inclusive virtuais) bem como para recolhimento de impostos à União.
Todas as transações realizadas através do PIX contarão com as mais modernas tecnologias de proteção que existem na Rede do Sistema Financeiro Nacional.
A disponibilidade do PIX a partir de 16 de novembro será para: bancos, fintechs e demais instituições financeiras. É claro, instituições essas que vigoram sob ordem do Sistema Financeiro Nacional do Brasil.
Segundo os desenvolvedores e o próprio Banco Central, o PIX será de fácil entendimento e terá seu manuseio de forma simples e intuitiva, para que qualquer pessoa possa utilizá-lo.
Após realizar um pagamento através do PIX, o valor estará disponível na conta do recebedor em poucos instantes. Ou seja, será uma novidade que facilitará o controle sobre recebimento e pagamentos das pessoas, não é mesmo? 
Já comentamos esse aspecto aqui: com o uso de PIX será possível pagar ou receber dinheiro a qualquer momento e em qualquer dia da semana.
Segundo o Banco Central, todas as instituições financeiras deverão disponibilizar o PIX. Elas precisam ter como obrigatoriedade o número mínimo de 500.000 contas ativas em sua base de dados para usufruir dessa novidade.
Assim, até mesmo instituições menores irão fazer parte dessa inovação. Isso facilitará a expansão do PIX e em breve, ele deverá fazer parte do dia-a-dia de todos os brasileiros. 
Tanto na rotina de pagamentos e recebimentos de pessoas físicas, quanto para pessoas jurídicas.
Há estimativas que cerca de 1.000 instituições financeiras nacionais já estão aptas a gerir o PIX a partir de novembro. Dentre os bancos tradicionais dessa lista podemos citar:
Além desses nomes conhecidos, os bancos digitais (claro) não ficaram de fora. Os principais que figuram na lista dos que já aderiram a essa nova tendência são:
Muitas instituições renomadas também estão nessa lista, como a:
Viu só como o PIX será popular? Entenda mais sobre o assunto e veja abaixo mais sobre sua versatilidade!
Além dos diferenciais que já citamos acima, o PIX também será versátil. Ele promete oferecer algumas novidades para o mercado financeiro do nosso país.
Uma dessas novidades, é o pagamento via PIX através de QR Code. Esse tipo de transação poderá ocorrer por meio de 2 tipos de QR Code, a saber:
O QR Code dinâmico pode ser utilizado diversas vezes. Ele possui um valor fixo predefinido e vale para muitas transações.
É uma excelente forma de recebimento para prestadores de serviços ou estabelecimentos comerciais em geral.
Já o QR Code estático, é um QR Code único e exclusivo que serve apenas para uma única transação. Acreditamos que a sua utilização será muito comum para evitar fraudes no sistema bancário.
Isso porque é possível inserir previamente os dados de quem será o recebedor daquele pagamento.
Essas novidades do QR Code e a sua união com o PIX, serão totalmente liberadas pelo Banco Central e regularizadas em 2021. Além disso, também no próximo ano, o PIX será agregado a outras formas de pagamento como o NFC e MST.
Órgãos importantes do Sistema Financeiro Nacional, inclusive o próprio Banco Central, já deram uma resposta a essa pergunta.
Segundo especialistas, os boletos bancários, transferências via TED ou DOC devem sim perder espaço com a chegada do PIX. Porém, essas modalidades não irão acabar de um dia para o outro, como algumas pessoas têm dito por aí.
As instituições financeiras esperam que as transferências via PIX se tornem tão rotineiras quanto pagar com moedas ou notas em espécie.
Não existe nenhum sinal de que boletos, DOC (Documento de Ordem de Crédito) ou TED (Transferência Eletrônica Disponível) irão desaparecer. 
Mas já sabemos que a intenção é tornar o PIX algo muito mais prático e utilizado que as demais formas de pagamento.
Isso porque a TED permite a transferência de valores no mesmo dia, porém, desde que realizada até as 17 horas (funciona de segunda a sexta-feira).
Já o DOC necessita do prazo de um dia útil para que a transferência seja concluída com sucesso (também só pode ser efetuado de segunda a sexta-feira).
Assim, muitas pessoas já acreditam que será mais fácil controlar as despesas, já que será possível pagar tudo via PIX. Assim, existe a sinalização que menos dinheiro circulará pelas ruas.
Outro ponto importante: você poderá transferir ou receber valores apenas com informações como telefone ou apelido do recebedor. 
Então, não existirá mais a necessidade de dados bancários, CNPJ ou CPF para realizar pagamentos, o que tornará tudo mais prático, simples e rápido.
Uma das dúvidas mais latentes quando falamos sobre o PIX diz respeito à sua segurança. Se o PIX vai substituir TED e DOC, ele precisa ser tão seguro quanto essas formas de pagamento, não é mesmo?
Por isso, para te tranquilizar, abaixo, iremos expor uma seleção de perguntas e respostas que poderão te orientar quanto à essa dúvida. Continue conosco e confira!
A resposta é sim. Saiba que o PIX é tão seguro quanto fazer uma TED ou um DOC. Essa ferramenta contará com os mesmo mecanismos de segurança utilizados em demais formas de pagamento.
Isso significa certificados de segurança, criptografia de dados e diversas camadas de autenticação.
Não. A chave PIX não existe para substituir a biometria nem a sua senha do banco. Para realizar todas as operações no seu banco, caixa eletrônico ou aplicativo você ainda precisará dos dados de autenticação da sua agência.
A utilidade da chave PIX visa facilitar a transferência e/ou recebimento de valores. Ou seja, na hora de transferir ou receber dinheiro não será necessário preencher um monte de dados.
Com a existência da chave PIX as transferências poderão ser feitas com apenas UM DOS seguintes dados em mãos:
Algumas pessoas estão inseguras em relação ao PIX. Especialmente porque elas têm medo de o dinheiro não ir para o destinatário certo.
Afinal, caso digitem o apelido ou e-mail incorreto, será que o dinheiro não será transferido corretamente? Quanto a isso, fique tranquilo!
Já que, o Banco Central já informou que antes da confirmação da transferência via PIX, aparecerá alguns dados do destinatário. Você poderá ver o nome e alguns números do CPF de quem irá receber os valores. Viu só como será seguro?
Não. Você não será obrigado a fazer transferências via PIX. Porém, conforme dissemos anteriormente, esse sistema garante menor risco de erros e maior praticidade. Isso porque o dinheiro cairá no mesmo instante na conta do recebedor.
Vamos a um exemplo: suponhamos que você precise transferir R$500,00 para um prestador de serviço. Através do PIX apenas com o número de telefone você conseguirá fazer a transferência e não precisará de número de conta, banco, etc.
Ah! Lembre-se do tópico anterior: basta confirmar os dados como nome antes de dar o “OK” no PIX, combinado?
O seu CPF, e-mail ou número de telefone só poderão ser cadastrados em uma conta. Ou seja, se você fizer o cadastro de seu número de telefone na conta B, receberá um SMS para confirmar aquela chave como sendo sua.
O mesmo vale para outros dados como e-mail, CPF, etc. Se alguém por má fé ou mesmo por engano cadastrar algum de seus dados como sendo PIX de outra pessoa, você será avisado.
Deu para perceber que o PIX vai substituir TED e DOC mesmo, hein? Com tanta segurança e versatilidade, acreditamos que em breve essas demais siglas serão coisa do passado. E como todos sabemos, é para frente que se anda, não é mesmo?
Dentre todas as informações sobre o PIX, se o PIX vai substituir TED e DOC ou se é seguro, outra pergunta sempre surge.
Afinal, PIX será gratuito? Se você ainda não sabe sobre o valor ou isenção desse serviço, saiba que agora as suas dúvidas em relação a isso serão sanadas.
O PIX será gratuito para transferências ou realização de compras para contas de MEI (microempreendedores individuais) ou pessoas físicas.
Porém, haverá casos em que existirá tarifação mesmo para MEI ou pessoa física. Veja mais detalhes abaixo.
A transferência instantânea através do PIX poderá ser cobrada no caso de pessoas físicas ou MEI em dois casos. No pagamento de serviço prestado ou produto vendido ou se o PIX for feito presencialmente ou via telefonia.
A tarifação em ambos os casos ficará a cargo da instituição financeira. Ou seja, não significa que será taxada em todos os bancos ou instituições, combinado?
Vale ressaltar que essas tarifas, quando existirem, precisarão ser previamente comunicadas ao cliente. Até mesmo no momento da efetivação do PIX, caso haja alguma cobrança, você será informado.
Segundo a legislação vigente, toda e qualquer taxa relativa ao PIX deverá estar clara para o consumidor. Isso será possível através de extratos bancários ou mesmo informado nos canais de suporte das instituições (sites, agências, etc.)
Não. Poderá haver cobrança para contas de pessoas jurídicas tanto para os pagadores, quanto para os recebedores. 
Isso se dá a partir da publicação da Resolução do Banco Central do Brasil nº 19/2020, publicada em 01 de outubro de 2020.
Porém, essa cobrança é proibida caso as contas do pagador e recebedor do PIX forem do mesmo banco ou da mesma instituição.
A vantagem é que assim como os PIX que serão realizados entre pessoas físicas, o PIX de pessoa jurídica também efetivará o pagamento em segundos. 
É bom falarmos que mesmo que alguma taxa seja empregada nos PIX de pessoa jurídica, a tarifação será mais barata que as de outras operações.
Esse é outro sinal de que provavelmente o PIX vai substituir TED e DOC sim, até nas transações de contas CNPJ. 
Ah! Alguns bancos já falaram que as suas contas para pessoas jurídicas terão PIX gratuitamente. O Nubank foi um dos bancos que já se pronunciou sobre o assunto.
Se você é pessoa jurídica e quer receber pelo PIX, saiba que o processo é muito simples. Você só precisará informar uma chave PIX para seu cliente ou gerar um QR Code de pagamento.
Abaixo vamos elencar as principais características e diferenças entre o PIX e os meios de pagamentos que utilizamos atualmente. São eles:
Diferentemente do cartão de crédito, no PIX não há nenhuma liberação de crédito ou recurso extra. Ou seja, para realizar um PIX é necessário ter dinheiro disponível na conta no momento da efetivação da transação.
Para vendas por PIX, você já sabe, o dinheiro fica disponível na hora. Já em vendas realizadas por cartão de crédito, normalmente, o prazo para recebimento é de 28 dias. Existem instituições com prazos diferenciados, que giram em torno de 2 dias úteis.
Outra diferença é que o cartão de crédito costuma ter cobrança de anuidade. Já o PIX não possui nenhuma tarifa (exceto nos casos citados acima).
Entretanto, com o cartão de crédito é possível comprar várias vezes ao mês e só pagar tudo em um único boleto. Já através do PIX, o dinheiro sairá da conta no momento da compra ou aquisição de produto/serviço.
Para usar o cartão de débito, assim como efetivar o PIX, é necessário possuir saldo positivo na conta. Quem recebe via cartão de débito, demora cerca de 2 a 3 dias úteis para ter o valor disponível na conta.
Vamos entender as principais diferenças entre as transações via PIX e boleto bancário. As pessoas ou empresas que recebem valores via boleto, precisam esperar 1 dia útil até que o valor seja compensado e entre na conta.
Além disso, os boletos só são emitidos ou compensados em dias úteis. Diferentemente do PIX, não é mesmo? Outra coisa interessante é sobre as notificações que envolvem o PIX.
Quando o valor de um boleto entra na conta de quem o emitiu, a pessoa não é avisada de que esse valor está disponível na sua conta. Já no PIX, tanto quem pagou quanto quem recebeu, é notificado sobre a transação financeira.
Para as transferências convencionais (e brevemente ultrapassadas) DOC ou TED são necessários diversos dados bancários.
O dinheiro transferido via TED cai no mesmo dia se for feito até às 17h30. Já em transações via DOC o valor só fica disponível para o recebedor no dia útil subsequente.
Os valores para TED não devem ultrapassar os R$5.000 e para DOC o limite de valor é de R$ 4.999,99. Quanto ao PIX, ainda não existe nenhuma sinalização de que haverá limite de valores para essa nova modalidade de transação.
Em transferências de TED ou DOC, não existe (assim como no boleto) nenhuma notificação sobre efetivação ou entrada de valores. Já no PIX as pessoas envolvidas na transação serão avisadas via e-mail ou SMS do que está sendo ocorrido.
Outra vantagem, é que em caso de erros ou algum problema na efetivação do PIX, as pessoas também serão informadas. Incrível, não é mesmo?
Representantes do Banco Central esclareceram que PIX não é nenhuma sigla.
Na verdade, esse nome foi idealizado para que lembrasse pixels (a menor parte de uma imagem digital). Além disso, para que remetesse à transações eletrônicas e tecnologia em empresas ou mesmo para pessoas físicas.
Através desse artigo deu para perceber que fazer PIX será tão fácil quanto entrar nas redes sociais, não é mesmo? Porém, saiba que antes de sair por aí fazendo PIX é importante cuidar da sua saúde financeira.
Salientamos isso pois sabemos que com mais essa facilidade de pagamento, muitas pessoas poderão se descontrolar. E o pior: gastar mais do que deveriam. Se você tem dúvidas sobre o assunto ou deseja melhorar suas finanças, pegue essa dica!
Leia o nosso artigo sobre A Psicologia dos Hábitos Financeiros. Nesse artigo você poderá identificar seus padrões comportamentais em relação ao dinheiro e como mudá-los pode ser benéfico.
Afinal, as novidades e melhorias no mundo das finanças estão aí para te ajudar e facilitar seu dia-a-dia. Elas não devem te impulsionar a gastar mais ou gerar dívidas e compulsão.
É importante ressaltar que PIX vai substituir TED e DOC, mas com o passar do tempo. Sabemos que muitas pessoas ainda olham com receio e estranhamento essa novidade.
Mas diversos especialistas em finanças e economistas, estão animados com o PIX. Eles afirmam que nosso sistema financeiro estava precisando de mais agilidade e modernidade. Afinal, o uso de transferências como TED ou DOC vigoram há mais ou menos 20 anos.
Atualmente, com o uso massivo de smartphones e compras online, nada melhor do que transferências como o PIX! Rápidas, seguras e com o dinheiro disponível em segundos.
Outro ponto aplaudido por muitos, é o fato de o PIX ser algo sustentável. Uma vez que não haverá impressão de comprovantes ou necessidade de moedas, dinheiro, papéis ou nada do tipo.
E você, acha que o PIX vai substituir TED e DOC realmente? Se você curtiu esse artigo, compartilhe com os seus amigos e familiares nas suas redes sociais. Acreditamos que é essencial que todos tenham acesso a informações de qualidade sobre o PIX!
O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Proin diam justo, scelerisque non felis porta, placerat si. Vestibulum ac elementum massa. In rutrum quis risus quis sollicitudin.

source

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CURSO DE ESCRITA FISCAL E SUAS ROTINAS